A REDE PRINCIPAL ESTÁ PRONTA PARA AUTOMAÇÃO: PLANEJANDO, PROJETANDO E GERENCIANDO O TRÁFEGO DE REDE CONVERGENTE

A REDE PRINCIPAL ESTÁ PRONTA PARA AUTOMAÇÃO: PLANEJANDO, PROJETANDO E GERENCIANDO O TRÁFEGO DE REDE CONVERGENTE

A pandemia mudou os padrões de tráfego de rede em todo o mundo. Mesmo quando esperávamos uma interrupção de duas a quatro semanas, a crise se estendeu por muitos meses além do que a maioria de nós poderia imaginar. É oficialmente seguro dizer que este é o novo normal. Enquanto as comunidades estão tentando descobrir exatamente o que isso significa para elas, os Provedores de Serviços de Comunicação (CSPs) têm uma boa ideia do que isso significa para suas redes.

Em mercados com baixa penetração de conexões de banda larga fixa de alta velocidade, as redes de dados móveis estão tendo um aumento no uso. Por outro lado, o tráfego de dados móveis diminuiu nos mercados de conexão fixa de alta velocidade com Wi-Fi interno. As pessoas estão ficando em casa e usando suas redes domésticas (a melhor conexão que têm) para todas as suas necessidades online: ensino à distância, trabalho remoto, conexões sociais, entretenimento.

Redes móveis e centrais convergentes aumentam a necessidade de automação
Por diferentes razões, as redes principais e móveis lidaram bem com os picos e vales de tráfego da era da pandemia. A rede principal está superprovisionada e sempre preparada para picos de tráfego, enquanto a rede móvel suaviza a qualidade e a entrega do serviço provisionando e reprovisionando automaticamente com base no volume de tráfego e no congestionamento.

Até recentemente, a rede principal tinha automação limitada. No entanto, à medida que as redes convergem, novas demandas, juntamente com a promessa de ofertas de serviços diversificados na rede central, elevaram rapidamente a necessidade de automação da rede central para crítica.

A rede principal está pronta para automação
Felizmente, a rede principal está pronta. As tendências de desagregação e rede aberta chegaram à rede principal, permitindo que a automação se estenda a operações que anteriormente eram baseadas em um rolo de caminhão e conexões físicas. Além disso, à medida que as redes convergem para oferecer suporte ao provisionamento e orquestração ponta a ponta entre domínios, a automação só aumentará, com a automação de rede alimentada por inteligência artificial (IA) gerenciando tudo.

O monitoramento de rede se estende à inteligência de rede
Auxiliados por topologias de rede global para tráfego agregado, os CSPs modernos podem estender o monitoramento de rede tradicional à inteligência de rede, avaliando constantemente o desempenho do serviço e a infraestrutura que o alimenta. As organizações que dissecam e traduzem dados de maneiras únicas podem usar a inteligência de rede para segmentar definições de produtos e serviços, oferecendo ofertas mais personalizadas. A inteligência de rede também fornece acesso a previsões mais realistas de Qualidade de Serviço (QoS) e Qualidade de Experiência (QoE), mudando a forma como os CSPs competem. Novos conjuntos de dados e microaplicativos permitem respostas baseadas em evidências, melhorando as previsões de negócios e fornecendo revelações que desencadeiam ações correspondentes.

Escapando do Rabbit Warren automatizando o planejamento e o design
O planejamento e o projeto de rede, antes um labirinto de documentação pronta, registros de manutenção e atualizações programadas, torna-se um processo de circuito fechado com modelos de rede que são constantemente atualizados usando aprendizado de máquina e dados de rede em tempo real. Para dar suporte a essas técnicas de inteligência de rede, a automação da rede deve aumentar no mesmo ritmo do crescimento da rede, aumentando a necessidade de planejamento e projeto de rede automatizados.

O projeto de rede convencional depende da disponibilidade e confiabilidade das informações de transmissão. Pode ser difícil, se não impossível, compilar manualmente as medições de campo de equipamentos de rede em serviço em uma rede aberta. O planejamento e o design automatizados preencherão essa lacuna com modelos de rede dinâmicos, aprendizado de máquina e microaplicativos que conectam infraestrutura legada e digital como se fosse um único sistema. Isso permitirá que os provedores aproveitem as inovações de transponder mais rápidas de qualquer fornecedor ao implantar uma rede aberta como se fosse um sistema integrado.

O planejamento e o projeto automatizados podem eliminar cálculos caros e manuais, estudos de simulação e medições de campo, enquanto maximiza a capacidade total da rede aberta. O planejamento e o projeto automatizados são um dos principais capacitadores do novo centro de operações de rede, oferecendo orquestração e controle na rede controlada por SDN.

Deixe uma resposta

0