Qual a melhor topologia em redes ópticas

Qual a melhor topologia em redes ópticas

Você sabe qual é a topologia mais indicada para redes ópticas? Quem começa a trabalhar com esse tipo de tecnologia costuma ter muitas dúvidas.

A configuração de uma rede óptica permite que o provedor utilize algumas topologias diferentes e escolher a melhor opção é um desafio.

Para ajudar a sua empresa com essa escolha, preparamos esse conteúdo. Nele, você vai entender melhor sobre a topologia de rede e como escolher a melhor opção para o seu ISP. Continue lendo e aproveite o conteúdo.

Como escolher a melhor topologia de rede para o ISP
Os cabos de fibra óptica são, sem sombra de dúvidas, tecnologia de ponta. A transmissão de dados nesse suporte é feita mediante envio de um sinal de luz e informação digital a longas distâncias. Esse material é composto por um filamento de sílica e de plástico, por onde é feita a transmissão (LED ou lasers semicondutores).

Ainda que sejam mais caros, os cabos de fibra óptica proporcionam uma conexão mais estável aos clientes – principalmente, pelo fato de que não é passível a interferências (de ruídos eletromagnéticos e rádio frequências). No entanto, para oferecer redes ópticas de qualidade, seu provedor deve escolher a melhor topologia para cada cliente.

As redes ópticas interligam seus dispositivos de diversas maneiras a fim de economizar recursos ou garantir redes redundantes. Esta é uma escolha que o provedor deve realizar, podendo ainda ser uma mescla das duas.

Entre as topologias mais usuais estão: ponto a ponto, barramento, anel ou estrela. Vamos nos aprofundar em cada uma logo mais neste post.

Entenda melhor as topologias de redes ópticas
Existem diferentes tipos de topologias para redes ópticas, mas algumas são melhores do que outras para trabalhar. Principalmente quando o assunto é facilidade de instalação e custo de manutenção.

A seguir, mostramos quais são as mais utilizadas devido ao custo benefício que oferecem. Confira!

FTTH (Fiber To the home)
FTTH (Fiber to the Home) é o modelo de entrega de sinal de fibra óptica do equipamento de comutação do ISP até a casa ou empresa do cliente. Esse modelo substitui a infraestrutura de cobre, que conta com fios de telefone e cabo coaxial.

A instalação de fibra em imóveis residenciais é um método recente e que tem crescido muito rápido devido aos benefícios que oferece, como maior largura de banda e velocidade. Com esse tipo de tecnologia, os consumidores conseguem ter uma experiência melhor navegando na internet, assistindo vídeos, ouvindo música etc.

FTTB (Fiber to the building)
FFTB (Fiber-to-the-Building ou Fiber-to-the-Basement) é a tecnologia que leva a fibra óptica do ISP até o suite que está dentro do prédio. Em geral, para fazer o transporte da fibra do suíte para dentro da casa do cliente são utilizados cabos de rede tipo CAT5e ou 6.

Embora esse tipo de tecnologia não leve a fibra óptica de uma ponta a outra, a conexão de alta velocidade é entregue, dentro dos limites de distanciamento estabelecidos por cada tipo de cabo. Além disso, o custo de instalação é mais baixo do que outros tipos de tecnologias.

FTTC (Fiber-to-the-Curb)
A tecnologia FTTC (Fiber-to-the-Curb) leva a fibra do ISP até o poste ou calçada. Nesse modelo, o acesso do cliente acontece em duas etapas.

Na primeira etapa, via fibra óptica, a conexão vai do ISP até o suíte, ou caixa de fibra, posicionada próximo ao cliente. Desse ponto, a fibra segue até a casa do consumidor, por meio da tecnologia VDSL2. Esse recurso utiliza a mesma rede de cabos metálicos de cobre que são usados na telefonia fixa.

A principal vantagem desse modelo é o custo. Por não utilizar o cabo de fibra óptica em todo o trajeto, o investimento é menor. No entanto, o uso de uma tecnologia mais antiga limita o acesso em velocidades maiores, pois quanto maior for a distância dos equipamentos até a casa do cliente, menor é a velocidade final. Outra característica é que esse é o modelo que empresas como Vivo e TIM Live utilizam.

Veja as nossas recomendações de topologia de redes ópticas para cada caso
Ponto a ponto
Essa é a topologia mais simples de todas. Nesse caso, há a união de dois computadores, por exemplo, por um meio de transmissão qualquer. A partir de uma conexão ponto a ponto podem ser formadas novas topologias, além de novos nós na estrutura. Redes ópticas ligadas ponto a ponto são, portanto, mais propícias a ramificações e sofrem perdas de dados mais baixas quando comparadas às outras topologias.

Barramento
Formato bastante comum na utilização de cabeamento coaxial permite que os nós sejam ligados a um barramento central. O sinal é compartilhado entre todos os nós da rede. Seu controle pode ser centralizado ou distribuído.

No meio óptico, essa topologia de redes ópticas tem ganhado cada vez mais espaço com a utilização de splitters desbalanceados. Nesse formato, uma fibra óptica pode conectar até 64 usuários em uma rede GPON.

Anel
Nesse formato, o usuário 1 conecta-se ao usuário 2, o usuário 2 conecta-se ao usuário 3 e assim por diante, e por fim o último volta a se conectar com o usuário 1. A informação transmitida por cada nó é repassada a todos os outros nós e, assim, a reutilização de comprimentos de onda é impossibilitada, a menos que se usem diversas fibras na conexão entre cada usuário.

Essa topologia de redes ópticas facilita o gerenciamento e possui maior imunidade a falhas – dada a possibilidade de utilização de anéis de backup em caso de rompimento em algum ponto, o que faz com que o sinal continue trafegando no sentido oposto.

Estrela
Neste caso, há um nó central que gerencia a comunicação entre as estações e, ao mesmo tempo, determina a velocidade de transmissão e converte os sinais transmitidos por protocolos diferentes. Os dados nesse tipo de topologia de redes ópticas não irão passar por todos os usuários, eles serão enviados diretamente ao equipamento situado no nó central.

Árvore
Este modelo de topologia é amplamente utilizado quando o modo de divisão da rede PON se dá através de splitters balanceados. Desta forma o concentrador de rede fica centralizado seguido de dois a três níveis de ramificações, as divisões.

Independentemente do tipo de topologia escolhida para fazer a instalação das redes no seu ISP, a escolha do fornecedor de fibra óptica é fundamental. Neste artigo, você vai ver o que avaliar nessa escolha.

Deixe uma resposta

0